terça-feira, 2 de novembro de 2010

Manuel Alegre não toma partido sobre greve geral - Sol



Manuel Alegre não toma partido sobre greve geral - Sol








O candidato presidencial Manuel Alegre escusou-se hoje a indicar se apoia a greve geral convocada para o final deste mês, considerando não caber a um candidato à Presidência da República «apoiar ou não apoiar» a paralisação.
«Não tenho que apoiar ou não apoiar. Eu sou um candidato à Presidência da República, que está nestas eleições (.) com um sentido de responsabilidade. Não cabe a um candidato à Presidência da República estar a fazer ou não apelos à greve», disse, no final de uma audiência com a direcção da CGTP.
De resto, Manuel Alegre especificou que o encontro com o líder da CGTP, Carvalho da Silva, e outros membros da direcção da Intersindical - que se repetirá à tarde com a UGT - tem apenas como significado a importância que atribui ao «diálogo com os sindicatos».
«O facto de eu estar aqui tem um significado, tal como o facto de ir estar com a UGT tem um significado (.) é um diálogo importante que se mantenha entre os responsáveis políticos e uma central sindical tão importante como é a CGTP», afirmou.
Acompanhado pela sua mandatária nacional, Maria de Belém, e por apoiantes como Paulo Sucena, o candidato presidencial adiantou que a greve geral de 24 de Novembro foi tema da reunião.
«Foi-nos dito que [a greve] tem essa perspectiva de futuro, de um alerta à sociedade, de um despertar, e visa sobretudo dar a sua contribuição para a resolução dos problemas», relatou.

5 comentários:

Isa GT disse...

Manuel Alegre... não me tem dado senão tristezas, todas as minhas desconfianças estão... cada vez maiores...

Rogério Pereira disse...

..))

donatien alphonse françois disse...

A mim não...Como dizia o outro:
«uhhuuu, o vento lá fora»

Isa GT disse...

lol essa do vento... até parecia de poeta lol

donatien alphonse françois disse...

É, mas é do poeta vadio e pedinte...