demissão

demissão

sábado, 18 de maio de 2013

QUERELA HABITUAL 

Três vezes o dragão abriu a boca. E, por três vezes, o metabolismo o obrigou a incendiar o oxigénio que o rodeava. Ficou envergonhado com aquilo. Ficava sempre. Mas tinha que ser, são fatalidades biológicas. São Jorge vinha num galope frenético, montando a ali¬mária imaculada das zincogravuras. O dragão olhou a virgem, já com certa saudade ante¬cipada — e certo alívio — não não teve outro remédio. Abriu a boca pela quarta vez, incendiando tudo em redor, como de costume. Sacudiu uma fagulha demasiado quente que lhe atingira a pálpebra e dispôs-se a mais uma querela crónica. São Jorge chegava, com a lança, a pluma no capacete renascentista e a couraça desenhada por Leonardo da Vinci. Vinha fulgurante e até extremamente gráfico, evitando que a alimária tropeçasse em demasia. O dragão retorceu-se um pouco, fez a cena habitual e depois desistiu. Estava farto de hagiologia. Tanto trabalho também era exagero. E logo por uma virgem, que diabo! A virgem olhou os dois. Depois resolveu-se e optou pelo São Jorge. Coitado. 


Mário Henrique Leiria

Novos Contos do Gin
 

2 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

E Cavaco optou pelos ditos da Maria que não tem nada de virgem mas muito de parva e por S. Jorge!
É o máximo!

Abraço

Donatien disse...

lol...rosa dos ventos...