segunda-feira, 24 de setembro de 2012

As formigas e a cigarrona tonta que anda de Audi

Divulgação de uma situação relatada na primeira pessoa, por Aida Figueira

Colegas:
Sou do grupo 250 e no dia 12 fiquei colocada nos Açores, na EBS da Povoação. Leciono há 17 anos, nunca me afastei da minha zona de conforto e depois da fase do pânico passei à fase do “um ano passa depressa e afinal de contas muitos colegas desejariam este lugar”. Telefonei para a escola, sublinhei o facto de ser

do continente e de não ter alojamento, pelo que me foram fornecidos contacto
s de quartos e apartamentos. Após as despedidas sempre dolorosas e toda a logística que envolve deixar uma vida no continente por um ano, lá segui para S. Miguel. Chegada à escola fui encaminhada para os Serviços Administrativos, onde preenchi a papelada do costume. Informaram-me então que deveria aguardar até me apresentar no Conselho Executivo uma vez que se encontravam em reunião. Quando finalmente me apresentei, e ainda radiante com a forma como decorreram os concursos no Açores (que respeitam a graduação, são rápidos e afixam e cumprem as datas de publicação das listas), deparei-me com um autêntico pesadelo. O horário que me foi atribuído contemplava 5 escolas diferentes de 1º Ciclo (um concelho inteiro), a lecionar AEC’s, sendo que num dos dias da semana teria de me deslocar para 3 escolas diferentes com mais de 10 Km de distância entre elas! Entrei imediatamente em pânico e, apesar do meu desespero apenas me foi dito, repetidas vezes, que teria de ter carro e que se não o tivesse teria de o adquirir! Para abreviar, estive 4 ou 5 horas nesta situação, tendo-me sido inclusivamente mostradas por um colega (que não sei quem era porque ninguém se apresentou no Conselho Executivo) páginas da net de um stand da Povoação que vendia automóveis. Questionei repetidas vezes o facto de NINGUÉM me ter informado desta situação pelo telefone e foi-me dito, várias vezes por esse mesmo elemento do CE, que deveria ter colocado essas questões à escola. Foi assumido o esquecimento da parte da escola devido ao excesso de trabalho no início do ano letivo. Posteriormente, lá me foi dito que teria direito às despesas de combustível, mas que teria de ter carro, uma vez que o meu único “problema” era esse. Acabei por desistir do horário, mas tendo contactado o Sindicato de Professores dos Açores que me atendeu de forma rápida e extremamente competente, fui informada do facto de ter direito a transporte e afins, uma vez que aparentemente “ainda” não nos é exigida carta de condução para concorrer. Pedi também o livro de reclamações, que o dito “colega” disse logo não existir, e apresentei a minha queixa. Balanço final: 500 euros de despesas de avião, uma crise de nervos e uma revolta muito grande por verificar que nem com os nossos “colegas” estamos seguros. Agradeço que todos divulguem esta situação, que acontece em quase todas as colocações da EBS da Povoação, de modo a que mais nenhum colega passe pelo que passei.

4 comentários:

jrd disse...

A cigarra tonta nem cantar sabe e sai a meio do espectáculo.

Donatien disse...

E é alvo de uma pateada monumental...

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

eles devem pensar que isto é um Jardim Zoológico e não um pais

Rosa dos Ventos disse...

Que loucura!